A autobiografia de Jane Fonda e o elogio ao impecavelmente imperfeito

A autobiografia de Jane Fonda e o elogio ao impecavelmente imperfeito

Minha mãe não sabia que estava criando um monstro ao me dar de presente Carmen, uma biografia, trabalho sensacional do escritor Ruy Castro sobre a vida de Carmen Miranda. Depois de ler esse livro, eu simplesmente adentrei no mundo das biografias, que se tornaram meu gênero literário favorito. Tenho muitas biografias, muitas mesmo. Se eu gosto do artista, é provável que vá ler sobre sua vida, para ter aquele sentimento de “sou íntima de fulano”.

Ao longo destes dez anos de leitora voraz de biografias, pude perceber que esses livros seguem uma espécie de fórmula. Geralmente ou o artista é retratado como um santo ou é destruído pelo autor da obra. Quando o livro é autobiográfico, existe uma tentativa de endeusar a própria vida, negar alguns boatos e se redimir perante os fãs. Hoje, como futura historiadora, vejo isso como narrativas históricas com as quais temos de lidar. Não há uma verdade absoluta, é uma questão de ponto de vista, de lugar de fala. É nisso que precisamos prestar atenção.

Pelos motivos elencados acima, eu me achava preparada para o que leria em Jane Fonda: minha vida até agora. Porém, o que aconteceu foi um daqueles momentos de glória, únicos na vida, em que você está diante de algo completamente diferente, capaz de mudar sua vida. Jane Fonda toma tudo o que você conhece sobre autobiografias, joga fora e cria algo muito verdadeiro, e a única reação que poderíamos ter é chorar. Ah, como chorei baldes com esse livro.

Muito mais que uma narrativa autobiográfica, o livro nos ajuda a entender nossas experiências enquanto mulheres no mundo. Talvez o seu maior bônus seja a aproximação que Jane faz com as leitoras. Ela mostra que você não está sozinha, que seus sentimentos não são inválidos e ainda reflete sobre os motivos pelos quais “traímos nós mesmas”.

Você achou que nunca leria uma autobiografia feminista? Pois essa daqui é – e muito!

Continue Reading…

Uma noite no Rio (1941)

Uma noite no Rio (1941)

Quando Carmen Miranda foi para os Estados Unidos, inicialmente para trabalhar para Lee Shubert, ninguém imaginava que ela seria uma mina de ouro para os estúdios de cinema, muito menos a imagem mais poderosa (e contraditória) do Brasil no estrangeiro. A pequena notável, como era carinhosamente chamada, migrou facilmente para o cinema, pois era uma imagem deveras peculiar para ficar de fora de Hollywood. Das boates, Carmen foi parar nos estúdios da Fox, e ali sua persona foi consolidada: a latina burra, a latina que falava mal inglês. Brasileira nunca, latina sim, pois os Estados Unidos acreditam que tudo que está abaixo do umbigo deles é a mesma coisa.

O fascínio que as pessoas tinham em relação à Carmen, um exotismo quase colonizador, tornou possível o seu sucesso em Hollywood. Quem não queria ver aquela mulher pra lá de elegante, com aquele traje super exótico de baiana, remexendo os quadris e cantando? Os estúdios da Fox captaram imediatamente os cifrões que Carmen poderia lhes trazer e a contratou para trabalhar como atriz. O resultado, quase 50 anos depois, é quase o mesmo do provocado nos anos 40: as pessoas continuam fascinadas pela imagem de Carmen Miranda. Eu confesso que sou fascinada por ela desde os 15 anos, quando ganhei de presente de aniversário a biografia dela, escrita por Ruy Castro.

Uma noite no Rio é o segundo filme de Carmen em Hollywood e apresenta melhoras sensacionais se compararmos a sua estreia em Hollywood, em Serenata Tropical. O enredo melhorou? Melhorou. Os atores coadjuvantes melhoraram? Ah, com certeza. O retrato do Brasil melhorou? NÃO!

Continue Reading…

Ponte dos espiões (2015)

Ponte dos espiões (2015)

Dia desses fui a um curso bacana sobre o Steven Spielberg, e o palestrante falou sobre um filme prestes a ser lançado do cara, e que tinha como protagonista ninguém mais, ninguém menos que o Tom Hanks. Mostraram o trailer, e eu fiquei doida para assisti-lo. O tema: a Guerra Fria e a paranoia gerada sobre basicamente qualquer coisa, qualquer pessoa na época.

Triste mesmo foi esperar Ponte dos espiões ser lançado na Gringolândia, onde moro, em um horário digno para que idosas como eu pudessem assistir. Finalmente, consegui, no último sábado, e mal podia esperar para vir para cá escrever a respeito. Bridges of spies tem o poder de prender a atenção do telespectador, do início ao fim. De tirar o fôlego, apenas.

Mais um Spielberg feat Hanks de responsa!

Continue Reading…

                                    
Encontre-nos no Facebook
Filmes por Ator:
                                                                                                                       
Filmes por Atriz:
                                                                                                                       
Filmes por Diretor: