A elegante Polly Maggoo (1965)

A elegante Polly Maggoo (1965)
A moda está por tudo! Até a guerra é moda!

 A elegante Polly Maggoo (Qui êtes-vous, Polly Maggoo?) é um desses filmes que, se não agradar pelo enredo, certamente nos agrada pelas imagens. Se você é um amante dos anos 60, das mulheres com suas perucas e cílios postiços, é melhor já ir procurando pelo Torrent desse filme, ele com certeza vai te deixar com vontade de entrar em uma máquina do tempo e ir parar nos anos 60!

Realizado por William Klein, um ex-fotógrafo da Vogue, o filme tenta responder a pergunta de seu título original: quem é Polly Maggoo, afinal? Por que todos são fascinados por ela? Polly (Dorothy MacGowan) é entrevistada por um programa, o “Quem é você, insira-o-nome-do-fulaninho-aqui?”, que segue a moça durante o filme, tentando nos revelar o que está por trás da maquiagem pesada de Polly. Uma máscara? E mais outra máscara? Mas eu arriscaria dizer que Polly é um elemento secundário para falar do elemento central desse filme: a moda.  Quem é você, moda? Essa é a pergunta que, para mim, Klein tenta responder.

 

Para falar de A elegante Polly Maggoo não podemos deixar de nomear alguém MUITO importante nesse meio chamado Diana Vreeland. Diana foi a primeira Anne Wintour da Vogue, com muito mais humildade e criatividade do que essa última. Diana começou na revista Harper’s Bazaar com uma coluna boboca, que logo desapareceu assim que a 2ª guerra mundial começou. Diana começou a escrever dando conselhos para as mulheres se vestirem bem com pouco dinheiro. Ela foi subindo de posto até se tornar a chefona da Harper’s, criando capas e conceitos que mudariam a visão de moda que as pessoas tinham. No entanto, foi na Vogue que Vreeland pode se destacar, usar a moda como uma forma de rebeldia, de quebra dos padrões. A primeira coisa que nos chama a atenção em suas capas são as modelos. Vreeland, conhecida por sua “beleza peculiar”, começou a usar modelos completamente despidas do status de diva que dominava a moda na época. Modelos com sardas? Vamos usá-las. Muito altas? Também. Pescoço longo? Pode tirar a foto! Diana gostava de ressaltar o que havia de muito chamativo nas modelos, uma clara forma de colocar a língua para todos aqueles que torciam o nariz para essas garotas, inclusive para a própria Diana, sempre considerada tão feia, a começar por sua mãe. Cher, Veruschka, Penélope… Todas essas modelos maravilhosas passaram pelas mãos de Vreeland. Por ter fotografado na Vogue (ao lado de grandes nomes como David Bailey, que namorou Catherine Deneuve, olha meu lado Hedda aí), é bem possível que Klein tenha conhecido Diana. Não é surpresa que o personagem, Sra. Maxwell (Grayson Hall) seja tão escancaradamente inspirada nela. Diana, assim como a Sra. Maxwell, inspirava medo em todos. Quando ela olhava um editorial de moda, todos tinham medo do que iria dizer. Diana não se importava em gastar dinheiro para fazer um bom editorial, o que fez com que perdesse o emprego na Vogue. Podemos notar a mesma adoração doentia que Diana inspirava no mundo da moda através das pessoas que cercam a Sra. Maxwell. Ao aprovar a coleção de um cientista, as pessoas a sua volta começam a cantar em coro “Magnifique”, pois o que ela dizia era lei. O refinamento de Diana em criar conceitos através da fotografia também aparece na Sra. Maxwell. Há uma cena muito interessante em que Polly está tirando fotos no alto de uma catedral, algo muito maluco por si só. E o que dizer de Diana que levava suas modelos até o Saara para fotografar? Além disso, há um ensaio em um cemitério (!!) com Polly encarnando uma morte moderna.

 
 
Diana Vreeland, a Anna Wintour mais humilde e criativa da Vogue nos anos 60

Como todo filme francês dos anos 60, esse aqui também sofreu uma grande influência da Nouvelle Vague. Contudo, acredito que a influência de Buñuel é mais forte, uma vez que o filme nos leva para universos paralelos, juntando tudo numa montagem que parece um sonho. Temos até uma releitura de uma cena de dança entre Ginger Rogers e Fred Astaire! É uma viagem agradável de fazer, eu diria. Às vezes um filme não precisa ser nos dar todas as respostas para ser bom; é o caso de A elegante Polly Maggoo. Talevz a viagem na maionese seja um suporte secundário para discutir a questão mais velha que minha avó: a moda é fútil? O que é?

Há um diálogo precioso no filme em que justamente isso é discutido. Um dos personagens confronta Polly, dizendo velhos chavões como “a moda é futilidade”. Ela, então, dá um discurso inflamado dizendo que a moda está em tudo, até na guerra que fazemos. Às vezes tenho a impressão de que a moda nessa época era um meio de libertação, muito mais livre do que hoje em dia. Digo, você tinha uma revista Vogue, que falava de Simon & Garfunkel, dos hippies, daquilo que estava em voga e mudando a sociedade. Hoje em dia só vemos editoriais de moda ditando o que você deve ser, o que deve vestir e como se comportar. William Klein mostra que a moda é muito mais do que posar para uma revista fazendo caretas. Até a careta que a modelo faz é minuciosamente escolhida, aquela careta quer dizer algo.

Veruschka, modelo da Vogue, fotografada por Richard Avedon
 

No dia em que a moda voltar a ser algo libertador e não ditatorial talvez possamos assistir a um surto criativo. No momento, acho que faltam Dianas Vreelands no mundo. Falta alguém realmente preocupado em libertar a moda que existe em cada pessoa; não em nos encaixar naquilo que alguém disse que é bonito. Enquanto isso, podemos assistir A elegante Polly Maggoo e ficarmos com um gostinho de nostalgia.

Escrito por Jessica Bandeira

Estudante de história, tradutora e noveleira.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

                                    
Encontre-nos no Facebook
Filmes por Ator:
                                                                                                                       
Filmes por Atriz:
                                                                                                                       
Filmes por Diretor: