Pacto de Sangue (1944)

Pacto de Sangue (1944)

Considerado a quintessência do filme noir, Pacto de Sangue (Double Indemnity) é desses filmes que reúne todas as características desse gênero. Femme fatale? Tem. Anti-heroi? Tem. Fatalismo da vida? Também tem. Tudo isso conduzido por um roteiro inspirado em um dos maiores escritores noir: James M. Cain.


O cinema noir só ganhou status lá pela década de 60 quando os franceses (que tinham sido proibidos de assistir a filmes americanos durante a 2ª guerra mundial) descobriram esse jeito peculiar de contar história. Os noir iam contra os musicais e filmes “água com áçúcar” de Hollywood, por isso não eram muito bem vistos pelos críticos na época. O termo “noir” [negro em francês] foi cunhado pelos franceses. Vale ressaltar que no momento em que esses filmes foram feitos, não havia uma intenção propriamente dita de criar uma estética. No entanto, os franceses e o tempo consagraram a tal da estética que caracteriza o filme noir.

O cinema noir é um tapa na cara da sociedade americana. Considero-o uma resposta ao escapismo da vida proporcionado pelo cinema. Como assim? Bem, os filmes, nesse momento, eram em sua maioria musicais e melodramas, retratando uma vida americana utópica. Contudo, o que acontecia na realidade era bem diferente: a grande depressão, desencadeada pela crise de 29, e a 2ª guerra mundial mergulharam a população na pobreza. Uma pobreza que era muito bem escondida pelas propagandas e pelo american way of life retratado pelo cinema. Portanto, os filmes noir vêm para mostrar essa realidade suja da sociedade. Suas histórias, povoadas de corrupção e sexo, contestavam esse modelo de viver.

Quando James M.Cain escreveu Double Indemnity, baseado na história verídica do casal assassino Ruth Snyder e Judd Grey, ele não sabia que teria tanto trabalho para um estúdio aceitar sua história. Quer dizer, a história tinha sido comprada, todavia, nem a Paramount (que tinha o direito sobre o conto) nem a MGM (que havia comprado os direitos de O destino bate a sua porta) conseguia achar um argumento que fosse aceito por Joe Breen, o chefão da censura em Hollywood. Veio a 2ª guerra mundial e o quadro mudou, tornando possível a execução do filme. Talvez fosse algo profético: o filme deveria sair nesse momento. Sem mais.

Pacto de Sangue conta a história de Walter Neff (Fred Mc Murray), um corretor de seguros, e de como sua obsessão por Phyllis (Barbara Stanwyck) acaba com sua vida. Enfeitiçado pela loira, Walter aceita assassinar o marido dela para receber o seguro de vida em dobro. O filme começa com um carro atravessando a escuridão das ruas de Los Angeles. Parece uma madrugada normal, só que não. Esse carro passa o sinal vermelho e quase atropela um caminhão. Alguém está com pressa. Opa, algo está errado. Billy Wilder, o diretor do filme, nos coloca o problema logo de cara, embora ainda não saibamos o que ele é exatamente. Então o carro para e, de dentro dele, sai um homem envolto em seu casaco. Ele entra no prédio, depois no elevador e o clima de tensão vai aumentando. Isso acontece porque o ascensorista começa a conversar com o personagem. Uma conversa banal, mas que pelas respostas do seu interlocutor, percebemos que existe algo errado. O personagem sai do elevador e vai até sua sala. Ele senta e enxergamos o primeiro problema: opa, ele levou um tiro. Trata-se de Walter, que começa a ditar a um gravador sua história. Outra característica do noir: a voice-off. O filme é inteiramente contado em flashbacks e pela voice-off de Walter, facilitando nossa entrada na mente do personagem. É um recurso utilizado para que tenhamos acesso a sua visão em relação à história. Creio que seja uma maneira unilateral de contar a história.

Os personagens de Pacto são muito bem desenvolvidos. O roteiro de Billy Wilder e Raymond Chandler, o Machado de Assis dos livros noir, nos possibilita enxergar a fraqueza humana presente em cada um deles. Phyllis, a loira fatal, usa Walter para conseguir o que quer. Sexo é poder. Ela sabe disso e é assim que consegue convencê-lo a fazer o que quer. Phyllis, ao contrário das mocinhas convencionais, é esperta o suficiente para entender que seu corpo é a melhor arma em uma sociedade de homens. Na cena em que ela conhece Walter, podemos ver claramente como o corpo feminino simboliza poder, submissão do homem. Ele vai à casa dela renovar o seguro dos carros de seu marido. Após alguns minutos de sua entrada, Phyllis aparece ao pé da escada, só de toalha. Estava tomando sol. A maneira como Stanwyck é filmada, o ângulo debaixo para cima, dá a impressão de que ela é uma deusa, uma divindade. Mais ou menos o que Walter pensa. Ela vai se trocar e pede que Walter a espere na sala. Quando Phyllis desce a escada, Billy só filma dos joelhos para baixo, o que para a respeitável Hollywood já era uma afronta por si só. Walter, como todo protagonista de filme noir, é o anti heroi da história. Um perdedor consciente. Logo que a história começa, temos a visão de Walter, que sabia que aquele golpe não daria certo. Então por que ele entra mesmo assim? Os herois desse tipo de filme costumam enxergar nesse processo (entrar numa furada) uma purificação. Ele precisa passar por isso para sair renovado, aprender uma lição. Por último, temos Keyes (Edward J. Robinson), o chefe de Walter, que serve como a parte racional da história. Ele é um cético que não acredita no “suicídio” do marido de Phyllis.

Não sei se é para amenizar o clima de tensão da trama, mas geralmente os filmes noir têm umas sacadas ótimas. O personagem Keyes é uma maneira de tirar a trama da tensão. Outra coisa em relação às sacadas ótimas está relacionada aos diálogos de duplo sentido. Com a invenção do Código de Censura, o negócio ficou difícil para Hollywood. A censura pegava pesado. Nada de sexo, nem beijos muito ousados. Resumindo: tinha de ser muito sutil. Wilder e Chandler conseguiram transpor a tensão sexual para os diálogos do filme, como neste aqui que reproduzo abaixo:

Neff: Gostaria apenas que me dissesse o que está escrito na tornezeleira. [ele não parava de olhar para as pernas da personagem, detalhe]
Phyllis: Apenas meu nome.
Neff: Que é?
Phyllis: Phyllis.
Neff: Phyllis, hum. Acho que gosto dele.
Phyllis: Mas não tem certeza.
Neff: Tinha de guiar à volta do quarteirão duas vezes.
Phyllis: (levantando-se): Sr.Neff, por que é que não passa por aqui amanhã à noite por volta das 8:30? Ele estará aqui.
Neff: Quem?
Phyllis: O meu marido. Estava ansioso por falar com ele, não estava?
Neff: Sim, estava. Mas essa ideia está quase a passar-me, se entende o que quero dizer.
Phyllis: Existe um limite de velocidade neste Estado, Sr.Neff, 45 milhas por hora.
Neff: A que velocidade ia eu, Sr.Guarda?
Phyllis: Eu diria que a uns 90.
Neff: Suponhamos que saia da sua moto e me passava uma multa.
Phyllis: Suponhamos que o deixava ir desta vez só com um aviso.
Neff: Suponhamos que isso não é suficiente.
Phyllis:Suponhamos que tinha de lhe bater.
Neff: Suponhamos que eu começasse a chorar e colocasse minha cabeça no seu ombro.
Phyllis: Suponhamos que tentasse colocá-la no ombro do meu marido.
Neff: Isso acaba com o assunto…

Podemos interpretar o diálogo de duas maneiras: ou eles falam sobre velocidade literalmente ou sobre velocidade em relação ao flerte. Por isso, a censura não deve ter prestado atenção. Esse tipo de escrita é chamada de “hard-boiled”. Também existem os diálogos hard-bitten, como a frase de Walter sobre Phyllis: “Nunca pensei que assassinato pudesse cheirar a madressilva”. Existe algo de poético nessa marginalidade do personagem e isso é mostrado também através dos diálogos.

O momento de clímax da trama acontece quando Phyllis encontra-se com Walter para assassiná-lo. Ela dispara contra ele, mas por algum motivo, ela não consegue descarregar a arma nele. Alguns críticos consideram esse momento especial para o filme, pois é quando enxergarmos a outra face da personagem. Walter vira o jogo e talvez esse seja o motivo pelo qual Phyllis não consegue descarregar a arma. Quando ele era submisso a ela, Walter era um zero à esquerda para ela. Mas no momento em que sua obsessão parece evaporar, ela se apega a ele de uma forma um pouco maluca. É o descuido de Phyllis que faz com que ela morra, pois a bala disparada por ele seria o segundo tiro que o personagem deveria levar. Enfim, um final fatalista, bem ao estilo noir.

Pacto de Sangue permanece como um dos filmes mais cultuados do gênero noir e do diretor Billy Wilder. Encontro elementos desse filme (o estilo, maneira de filmagem) em Crepúsculo dos Deuses, filme de 1951, sete anos depois de Pacto. Woody Allen inclusive homenageia-o em seu filme Um misterioso assassinato em Manhattan. Ele e Diane Keaton vão ao cinema assistir Pacto de Sangue e a trama tem uma leve inspiração no filme. Imperdível para os amantes de uma boa trama. 

Escrito por Jessica Bandeira

Estudante de história, tradutora e noveleira.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

                                    
Encontre-nos no Facebook
Filmes por Ator:
                                                                                                                       
Filmes por Atriz:
                                                                                                                       
Filmes por Diretor: